Uma Das Mais Antigas Conspirações Comprovada: Projeto Echelon

Quando Edward Snowden revelou a vasta conspiração de um aparato de vigilância multinacional, foi uma justificativa para Duncan Campbell, que passou décadas descobrindo uma das maiores facetas do alcance do governo, o Projeto ECHELON.

E embora tenha demorado quase uma vida inteira para obter essa justificativa, Campbell transformou uma das mais antigas conspirações em verdade: alguém está sempre ouvindo.

O Que é Echelon?

Pouco depois da Segunda Guerra Mundial, cinco das maiores potências mundiais – EUA, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Canadá – assinaram um programa de vigilância conjunto após os Aliados decifrarem os códigos “Enigma” da Alemanha e “Roxo” do Japão.

Compreendendo a importância de interceptar e monitorar a inteligência de sinais, ou SIGINT, esses cinco países, conhecidos como os Five Eyes (Cinco Olhos), firmaram o acordo UKUSA, que dividia segmentos do mundo para cada país monitorar.

A inteligência de sinais monitora todos os sinais recebidos de comunicações eletrônicas, incluindo rádio, radar, telemetria e praticamente qualquer tipo de sinal transmitido.

O advento da tecnologia de satélite no final dos anos 50 combinado com a paranóia da Guerra Fria levou a uma rápida expansão do programa, monitorando indiscriminadamente todos os sinais de comunicação em todo o mundo.

O Projeto P-415, apelidado de ECHELON, tornou-se o programa de vigilância de rede de arrasto entre as cinco nações, embora fosse controlado inteiramente pela Agência de Segurança Nacional – o braço da inteligência americana operando sob o Departamento de Defesa.

A agência de inteligência do Reino Unido, a Sede de Comunicações do Governo, ou GCHQ, tornou-se o braço secundário do programa ECHELON.

GCHQ

Por meio do ECHELON, bilhões de comunicações por satélite foram, e continuam a ser, interceptadas e armazenadas em instalações ao redor do mundo, antes de serem analisadas por algoritmos de computador em busca de palavras-chave que levantem bandeiras vermelhas.

A tecnologia também é capaz de atingir indivíduos usando não apenas números de telefone, mas também software de reconhecimento de voz.

Os recursos do programa permitem que ele seja direcionado a quase qualquer pessoa no planeta, incluindo líderes mundiais, empresas e particulares.

Apesar desse fato, tem, na maioria das vezes, falhado em seu trabalho ostensivo de prevenir grandes atos de terrorismo.

The Echelon: sistema de espionagem global dos EUA

Onde Estava o ESCHELON?

Embora haja várias estações de interceptação de satélites ECHELON em todo o mundo, existem alguns locais importantes apontados por Campbell e outros denunciantes.

A maior operação está localizada na estação RAF Menwith Hill em Yorkshire, Reino Unido, onde mais de 300 milhões de e-mails e ligações são monitorados diariamente.

Campbell e seus colegas apontaram que uma indicação clara das estações envolvidas no ECHELON são grandes cúpulas geodésicas, conhecidas como radomes. Abaixo desses recintos abobadados estão satélites, escondidos de olhos que podem estar curiosos sobre sua orientação.

Nos EUA, a estação principal de atividade do ECHELON era originalmente no Centro de Treinamento Yakima do Exército em Washington.

Mas esse local mudou desde então para Buckley AFB no Colorado, lar de uma infraestrutura mais extensa com supercomputadores capazes de processar as grandes quantidades de dados coletados lá.

Outra base importante é a instalação de vigilância de Pine Gap, localizada perto de Alice Springs, no Território do Norte da Austrália.

Com o codinome RAINFALL, essa base é o principal centro de geolocalização de telefones celulares, supostamente necessária para rastrear com mais precisão alvos terroristas com ataques de drones.

Embora o sentimento dos operadores de drones não pareça apoiar essa suposta precisão.

Em vez de atingir pessoas específicas com base na inteligência tradicional, o programa visa os cartões SIM de telefones celulares.

Isso provou ser uma tática não confiável que freqüentemente resulta na morte de civis inocentes.

De acordo com os vazamentos de Snowden, estações operadas nos EUA também existem em países fora do Five Eyes, incluindo Brasil, Alemanha, Índia, Japão e Tailândia. Existem estações operadas pelo GCHQ e inteligência australiana em Chipre, Quênia e Omã.

Todas as informações coletadas globalmente são processadas e enviadas para a sede da NSA em Fort Meade, Maryland, onde são filtradas antes de a agência decidir o que se sente confortável em compartilhar com as outras nações envolvidas no programa.

Sede da NSA – Fort Meade, Maryland

Além de estações de interceptação baseadas em terra, os EUA lançaram vários satélites de bilhões de dólares para interceptar sinais transmitidos para a atmosfera que normalmente se difundiriam para o espaço.

Esses satélites, embora classificados, têm guarda-chuvas de 300 pés de diâmetro e são colocados em órbitas altamente elípticas para capturar sinais da maior área possível.

Acredita-se que os EUA tenham lançado vários desses satélites desde o início dos anos 90, a fim de interceptar transmissões com o propósito ostensivo de monitorar a telemetria de voo de mísseis balísticos.

TRUMPET, MERCURY e MENTOR são os codinomes dados a esses satélites que se acredita estarem em órbita geossíncrona coletando SIGINT.

Esses satélites são capazes de interceptar e retransmitir todos os tipos de sinal para as necessidades de vigilância da NSA.

Isso inclui COMINT, comunicação entre pessoas; ELINT, sinais eletrônicos que não sejam de voz, como radar, satélite, telemetria; MASINT, as assinaturas de instrumentos eletrônicos; e FISINT, emissões eletromagnéticas de testes de sistemas aeroespaciais, de superfície e subterrâneos estrangeiros.


Gaia.com


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: