FRAUDE Variante COVID-19 Exposta: Por Que Eles Não Dizem Com Qual Variante Você Está Infectado?

Você não tem permissão legal para saber qual variante lhe deu COVID-19, mesmo que seja Delta Não existe teste para nenhuma variante do Covid, e nenhum laboratório em qualquer lugar planeja fazer um. É uma fraude variante aberta do COVID-19 e por que eles não informam com qual variante você está infectado.

A maioria das pessoas com COVID-19 nos EUA é legalmente impedida de saber qual variante as infectou.

Leia: 10 Razões Que o COVID-19 (SARS-CoV-2) é um Vírus Imaginário e Teórico

Esse código pode ser considerado por um teste de identificação prévia para um resultado federal, sejam divulgados em médicos ou pacientes, e a maioria ainda não.

Cientistas do laboratório dizem que o processo de validação dos testes para aprovação é muito caro e demorado.

Sam Reider, músico de São Francisco, recebeu uma ligação do Departamento de Saúde Pública da Califórnia em junho, informou o Business Insider.

Embora totalmente vacinado, Reider havia testado recentemente positivo para COVID-19 depois de ensinar música em um acampamento de verão. O departamento de saúde pediu que ele fizesse um segundo teste em um Kaiser Permanente local.

Leia: Surpreendente Fraude do Teste COVID-19 Revelado

Reider assumiu que era porque as autoridades queriam descobrir se ele tinha uma infecção por Delta. Ele também estava curioso – mas quando recuperou os resultados do teste, ficou surpreso ao saber que os médicos não podiam fornecer nenhuma informação sobre sua variante.

“Quando recebi o acompanhamento da Kaiser, eles disseram que é positivo, mas não tinham nenhuma informação sobre o seqüenciamento”, disse Reider ao Insider. Isso “me senti estranho”, disse ele.

Várias barreiras legais impediram Reider e seus médicos – assim como quase todos os americanos que deram positivo para o coronavírus – de saber qual variante era a culpada.

Leia: Fraudemia: Resolução em São Paulo Manda Atribuir Qualquer Morte Como Morte Por COVID

Os Centros de Serviço Medicare e Medicaid (CMS), que supervisionam o processo regulatório dos laboratórios dos EUA, exigem que os testes de seqüenciamento de genoma sejam aprovados federalmente antes que seus resultados possam ser divulgados a médicos ou pacientes.

Esses são os testes que captam variantes, mas, no momento, há pouco incentivo para os laboratórios fazerem o trabalho para validar esses testes.

“Não acho que haja muita motivação, honestamente, para fazer isso”, disse Kelly Wroblewki, diretora de doenças infecciosas da Associação de Laboratórios de Saúde Pública, à Insider.

Até agora, disse Wroblewki, mais de 50 laboratórios públicos nos EUA são capazes de sequenciar amostras de coronavírus para detectar variantes.

Mas ela não tem conhecimento de nenhum laboratório que tenha concluído o processo de validação para obter aprovação federal.

“O processo de validação de um teste de seqüenciamento de próxima geração é oneroso”, disse Wroblewki. “Leva muito tempo. São necessários muitos dados. São necessários muitos recursos.

E o problema das variantes é que as variantes de preocupação e interesse estão mudando constantemente, então você teria que fazer uma validação completa toda vez que tiver uma variante.”

Validar um teste para uma única variante pode levar semanas a meses, acrescentou.

Enquanto isso, de acordo com o Virologist de topo, a realização de campanhas de vacinação em massa em um cenário de altas taxas de infecção gera condições ideais para a criação de variantes ainda mais infecciosas de Sars-CoV-2.

Além disso, o O CDC revogou a autorização de uso de emergência concedida ao RT-PCR para testes de COVID-19.

Inúmeros tribunais em todo o mundo determinaram o uso do RT-PCR para detecção do SARS-COV-2 como não confiável e totalmente fraudulento.

O tribunal de apelações português decidiu que os testes de PCR não são confiáveis e que é ilegal colocar pessoas em quarentena com base apenas em um teste de PCR.

Da mesma forma, o O tribunal austríaco decidiu que os testes de PCR não são adequados para o diagnóstico de COVID-19 e que os lockdowns não têm base legal ou científica.

Então, um membro do parlamento austríaco expôs a deserção dos testes COVID-19 do governo, demonstrando no parlamento como é um copo Coca Cola deu positivo para COVID-19.

Até a Organização Mundial da Saúde (OMS) deu uma inversão de marcha e alterou sua ctiteria de teste de PCR, alertando os especialistas para não confiar apenas nos resultados de um teste de PCR para detectar o coronavírus.

Como GreatGameIndia relacionado anteriormente, os testes de execução de coronavírus levantaram um grande número de casos positivos diários. Esses testes são feitos com base protocolos defeituosos da OMS que foram projetados para incluir também casos falsos positivos.

Esse fato sobre falsos positivos dos testes de PCR foi anotado em público pelo Dr. Beda M. Stadler, bióloga suíça, professora emérito e ex-diretora do Instituto de Imunologia da Universidade de Berna.

Antes, o O protocolo de teste da OMS foi até questionado pela autoridade nacional de saúde da Finlândia. A OMS havia pedido aos países que testassem. o maior número possível de pacientes para coronavírus.

Em uma divulgação surpreendente, a chefe de segurança da saúde da Finlândia, Mika Salminen, demitiu a consultoria da OMS dizendo a OMS não entende pandemias e que o protocolo de teste de coronavírus é ilógico e não funciona.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: