Cirurgião Que Operou Uma Vítima Adolescente Italiana da Vacina Covid-19: “Eu Nunca vi Nada Assim”

Um cirurgião que operou uma vítima da vacina Covid-19 disse que “nunca tinha visto um cérebro reduzido nessas condições por uma trombose tão extensa e grave”.

Camillia Canepa, uma menina italiana de 18 anos, morreu uma semana depois de receber a vacina AstraZeneca Covid-19, pois sofria de deficiência crônica de plaquetas, uma “trombocitopenia familiar auto-imune”.

Gianluigi Zona, diretor da clínica neurocirúrgica e neurotraumatológica do hospital San Martino, contou a experiência ao Il Piccolo, afirmando que: “Todos os seios venosos foram bloqueados com trombos, um cenário que nunca vi em muitos anos nesta profissão.

“Pense no seio venoso como o rio no meio de um vale para onde convergem vários riachos. Se uma barragem for construída no meio do curso de água, o rio incha e os afluentes não podem mais drenar neste ponto, então a pressão sobe rio acima.”

“Não sou virologista, nem epidemiologista, nem legista, mas pela imagem que vi na cabeça da menina, fica claro que estamos lidando com algo que não é normal.”

A família da menina disse à mídia que “Camilla não tinha doença”. No mês passado, os promotores de Gênova, que coordenam as investigações em andamento, vão instruir o legista de Pavia a fazer uma autópsia no corpo da menina.

Leia também: Surto de Covid: “O Maior Golpe de Saúde do Século 21” Relatório de 1500 Profissionais de Saúde

Em 3 de junho, Camilla foi transferida do hospital Lavagna para a Policlínica, onde havia feito duas tomografias. Camila recebeu alta após o primeiro exame, que não evidenciou a trombose em curso.

A jovem foi então transferida depois que o segundo exame mostrou que sua condição estava se deteriorando rapidamente. As tomografias confirmam a afirmação da família de que Camilla “não tinha doença” e que a vacina é a culpada por sua morte.

De acordo com a família, Camilla começou a reclamar de fortes dores de cabeça poucos dias depois de receber uma dose da vacina AstraZeneca.

Canepa, que era da cidade de Sestri Levante, na Ligúria, recebeu a vacina durante um “dia aberto” de vacinação para jovens maiores de 18 anos.

O caso de Camilla levantou preocupações sobre a segurança das vacinas Covid-19, especialmente entre os jovens que anteriormente desejavam ser vacinados para obter um Green Pass ou passaporte de vacina para permitir que viajassem e participassem de eventos de grande escala.

Claro, casos como o de Camilla serão ignorados pela grande mídia e pelo governo, que só continuará a perpetuar a mentira de que essas “vacinas” são seguras, ao mesmo tempo que encoraja as massas a receber as duas doses da vacina.

Fonte: DailyExpose.co.uk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: