Plandemia: Planos Para “Passaportes de Vacinas” Estavam em Vigor 20 Meses Antes do Surto de COVID-19

por Paul Anthony Taylor

Com o mundo sendo informado de que os chamados “passaportes de vacina” serão necessários para todas as viagens internacionais no futuro, e em muitos países até para entrar em lojas, restaurantes, bares, academias, hotéis, teatros, shows e eventos esportivos, a impressão que nós estão sendo dados é que a medida é um resultado direto da pandemia do coronavírus.

Na Europa, entretanto, que hospeda 8 dos 10 principais países exportadores de produtos farmacêuticos, o planejamento para passaportes de vacinas começou pelo menos 20 meses antes do início do surto de COVID-19. Aparentemente, a pandemia convenientemente forneceu aos políticos europeus a “desculpa” de que precisavam para apresentar a ideia.

A “Comissão Europeia” – o órgão executivo da Europa – publicou pela primeira vez uma proposta de passaportes de vacinas em 26 de abril de 2018. Enterrada em um documento que tratava de “Cooperação reforçada contra doenças evitáveis ​​por vacinas“, a proposta foi essencialmente ignorada pela grande mídia.

Leia: Os Rothschilds Patentearam os Testes Biométricos Covid-19 em 2015

Um documento de roteiro publicado no início de 2019 posteriormente definiu planos específicos para a implementação da proposta da Comissão Europeia. A principal ação listada no roteiro foi “examinar a viabilidade de desenvolver um cartão/passaporte de vacinação comum” para os cidadãos europeus que seja “compatível com os sistemas eletrônicos de informação de imunização e reconhecido para uso além-fronteiras”. O plano visava a apresentação de uma proposta legislativa na Europa até 2022.

Curiosamente, o roteiro usa vários termos que, embora relativamente incomuns na maioria dos países antes da pandemia, passaram a ser ouvidos diariamente na grande mídia. Talvez o mais notável deles seja a “hesitação da vacina”. O apoio aos países europeus no “combate à hesitação à vacina” está listado no documento como um dos principais pontos de ação.

A possibilidade de ocorrerem pandemias e “surtos inesperados” também é mencionada no roteiro. De forma reveladora, é feita referência específica ao apoio à autorização de “vacinas inovadoras, inclusive para ameaças emergentes à saúde”.

Afirmando que a “indústria de fabricação de vacinas” tem um “papel fundamental” no cumprimento dos objetivos descritos no documento, o roteiro lista “melhorar a capacidade de fabricação da UE” e estocar vacinas como outros pontos de ação a serem considerados.

Para fortalecer as “parcerias existentes” e a “colaboração com atores e iniciativas internacionais”, o roteiro também se refere a uma reunião de cúpula global de vacinação que ocorreu em setembro de 2019. Um exame atento dos participantes e do assunto desta reunião é revelador.

O Encontro Global de Vacinação 2019

Não relatado pela maioria dos principais meios de comunicação, uma “Cúpula Global de Vacinação” foi realizada em Bruxelas, Bélgica, em 12 de setembro de 2019. Organizada pela Comissão Europeia em cooperação com a Organização Mundial de Saúde, a reunião ocorreu apenas 3 meses antes do início do surto de coronavírus.

Significativamente, isso também aconteceu apenas 36 dias antes do agora infame exercício de simulação de surto de coronavírus, apoiado pela Fundação Bill & Melinda Gates, o Fórum Econômico Mundial e a Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, que aconteceu em 18 de outubro de 2019.

Um evento somente para convidados, os participantes da cúpula de vacinação incluíram líderes políticos, representantes de alto nível das Nações Unidas e outras organizações internacionais, ministérios da saúde, acadêmicos renomados, cientistas e profissionais da saúde, o setor privado e organizações não governamentais.

A cúpula foi estruturada em torno de três mesas redondas intituladas ‘In Vaccines We Trust’, ‘The Magic Of Science’ e ‘Vaccines Protected Everybody, Everywhere’.

Membros notáveis ​​do painel para essas mesas redondas incluíram Nanette Cocero, Presidente Global da Pfizer Vaccines; Dr. Seth Berkley, CEO da GAVI, Global Vaccine Alliance – uma organização que recebeu grandes quantias de financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates; e Joe Cerrell, Diretor Executivo de Política e Defesa Global da Fundação Bill & Melinda Gates.

O planejamento da pandemia estava claramente em evidência nesta reunião de cúpula. Os principais documentos distribuídos aos participantes incluíram relatórios sobre “Planejamento de preparação para a pandemia de influenza“, “Um exercício de pandemia de influenza para a União Europeia“, “Influenza aviária e planejamento de preparação para a pandemia de influenza“, “Preparação para a pandemia de influenza e planejamento de resposta“, “Rumo à suficiência de Vacinas contra a pandemia da gripe na UE” e “Uma “parceria público-privada” sobre vacinas europeias contra a pandemia da gripe“.

Em todos esses documentos, o objetivo de fortalecer a colaboração com a indústria farmacêutica é repetidamente enfatizado, assim como a mensagem de que uma pandemia global agora era inevitável.

Passaportes de Vacinas: Quem Realmente se Beneficia?

Quem realmente se beneficia com passaportes de vacina? Certamente não pessoas comuns, para as quais compartilhar seus registros de saúde e outros dados pessoais em breve se tornaria obrigatório apenas para a participação na sociedade.

Em vez disso, o principal beneficiário será a indústria farmacêutica multinacional. Com as vendas globais de medicamentos e vacinas já previstas para chegar a $1,5 trilhão de dólares este ano, as empresas farmacêuticas e seus investidores estão salivando com a perspectiva de os passaportes para vacinas se tornarem obrigatórios em todo o mundo.

mercado total de vacinas COVID-19 está previsto em $100 bilhões de dólares em vendas e $40 bilhões de dólares em lucros pós-impostos. A vacinação anual contra mutações do coronavírus poderia aumentar ainda mais esses números. A menos que resistamos aos passaportes de vacinas e, em vez disso, “votemos pela razão“, os fabricantes de medicamentos e vacinas podem forçar o mundo a uma dependência econômica e política de longo prazo.

Nosso objetivo urgente deve, portanto, ser substituir o  “negócio com doença” farmacêutico movido pela ganância por um sistema de saúde baseado em abordagens verdadeiramente preventivas. Aceitar a alternativa da indústria farmacêutica a isso é simplesmente impensável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: